/  Tudo sobre o mar   /  Nutrição   /  Peixe para que te quero!

Peixe para que te quero!

Peixe para que te quero!

O peixe nem sempre é bem aceite pelas crianças…

A partir dos 6 meses de idade a maioria dos lactentes está preparado, em termos de desenvolvimento motor, sensorial e de maturação funcional dos sistemas digestivo e renal, em aceitar outro tipo de alimentos. Segundo as recomendações, a introdução de novos alimentos, deverá ser realizada nunca antes dos 4 meses e, preferencialmente, cerca dos 6 meses de idade, tendo sempre em consideração as particularidades do lactente, como por exemplo situações de atopia e alergias alimentares, bem como os costumes e realidade económica do agregado familiar.

Peixe: fonte proteica e nutritiva

O peixe é uma importante fonte proteica, mas também de outros nutrientes com função determinante no desenvolvimento, como os ácidos gordos polinsaturados de cadeia longa da série n-3, iodo e ferro. Como fonte proteica, em nutrição chamam-se proteínas de alto valor biológico, porque possuem aminoácidos essenciais em proporções adequadas ao organismo.

A introdução do peixe deverá iniciar-se depois do 6º mês, com a oferta inicialmente de peixes magros tais como pescada, linguado e solha. A sua introdução deve iniciar-se no caldo/puré de legumes, com porções de 10g e aumentando gradualmente até atingir a dose de cerca de 25-30g/dia de peixe isentos de gordura, pele e espinhas.

Muitas vezes a falta de gosto das crianças pelo pescado prende-se com a forma como é cozinhado, mas não só. É importante ter em consideração que existem “janelas de oportunidade” para o desenvolvimento de capacidades quanto ao treino de paladares, texturas e aceitação de alimentos progressivamente mais sólidos. A ausência deste treino, que deverá ocorrer entre os 8 e os 10 meses, poderá assim comprometer todo o processo de diversificação alimentar e aumentar o risco futuro de dificuldades no que concerne ao campo da alimentação.

É fundamental que o pescado seja consumido na medida em que é uma excelente fonte de ácidos gordos da série ómega 3, uma gordura imprescindível ao bom funcionamento do cérebro e do coração, e zinco, mineral fundamental no desenvolvimento e crescimento da criança, que tem como mais-valia o aumento do apetite e do paladar. É também rico em ferro, outro mineral fundamental para o corpo de uma criança em crescimento, sobretudo como elemento preventivo de anemias.

Para que o peixe e outros alimentos tenham a sua ação sinérgica e de complementaridade na ação para a saúde da criança, e para que que nenhum dos nutrientes seja desperdiçado, a alimentação deve ser diversificada, colorida, apaladada e, sobretudo, agradável ao cheiro, porque muitas das vezes é através dos aromas/cheiros que há aceitação ou rejeição de determinados alimentos. Deste modo, de forma a potenciar o consumo de peixe por parte das crianças, é imprescindível o uso de confeções culinárias saudáveis, mas saborosas, onde as especiarias e as ervas aromáticas desempenham um papel fulcral na melhoria da aceitação do seu consumo.

Artigo assinado por: Professora Dra. Rosa Vilares, Fundação Portuguesa de Cardiologia